Europa mais perto – Ambiente para os Europeus

 
O CIED Alentejo Central e Litoral, em conjunto com a Universidade Sénior de Évora, realizou mais uma sessão “Europa mais perto”, com o objetivo de levar ao público mais sénior temas atuais sobre a União Europeia e perceber quais as suas opiniões, fornecer informações europeias e esclarecer variados temas.
Nesta sessão deu-se destaque ao tema do ambiente, devido ao interesse demonstrado pela temática por parte dos estudantes da universidade sénior de Évora em sessões passadas.
Durante a sessão foram debatidos vários aspetos resultantes das alterações climáticos e demonstrado algumas das ações que a união europeia tem realizado nesta matéria. 
No final da sessão foi distribuído aos estudantes, informação sobre a União Europeia, de forma a complementar a informação adquirida na referida sessão.
 

Previsões económicas da primavera de 2017

 
A economia europeia entrou no seu quinto ano de retoma, que está agora a chegar a todos os Estados-membros da UE. Prevê-se que essa retoma prossiga a um ritmo geralmente constante este ano e no próximo ano.
 
Nas suas previsões da primavera, a Comissão Europeia prevê que o crescimento do PIB da área do euro atinja 1,7 % em 2017 e 1,8 % em 2018 (1,6 % e 1,8 % nas previsões do inverno). Prevê-se que o crescimento do PIB da UE no seu conjunto se mantenha constante, a um nível de 1,9 % em ambos os anos (1,8 % em ambos os anos nas previsões do inverno).
 
O Vice-Presidente Valdis Dombrovskis, responsável pelo Euro e pelo Diálogo Social, bem como pela Estabilidade Financeira, pelos Serviços Financeiros e pela União dos Mercados de Capitais, declarou: «As previsões económicas de hoje apontam para uma consolidação do crescimento e uma continuação da diminuição do desemprego na UE. No entanto, a situação é bastante diferente de um Estado-Membro para outro, sendo os melhores resultados registados nas economias que implementaram reformas estruturais mais ambiciosas. A fim de restabelecer o equilíbrio, será necessário proceder a reformas decisivas em toda a Europa, quer se trate de abrir os nossos mercados de produtos e serviços ou de modernizar o mercado de trabalho e os sistemas de proteção social. Numa era de grandes mutações demográficas e tecnológicas, as economias dos países da UE têm igualmente que evoluir, oferecendo mais oportunidades e proporcionando um melhor nível de vida às nossas populações.»
 
Pierre Moscovici, Comissário responsável pelos Assuntos Económicos e Financeiros, Fiscalidade e União Aduaneira, afirmou: «A Europa está a entrar no seu quinto ano consecutivo de crescimento, apoiado por políticas monetárias favoráveis ao crescimento, uma sólida confiança das empresas e dos consumidores e uma melhoria do comércio mundial. A boa notícia é também que o elevado nível de incerteza que caracterizou os últimos doze meses poderá estar a começar a diminuir. Mas a retoma da área do euro em matéria de emprego e de investimento continua a ser desigual. O principal desafio dos próximos meses e anos consistirá em combater as causas desta disparidade».
 

Comissão lança uma reflexão sobre o controlo da globalização

 
Na sequência do Livro Branco da Comissão sobre o futuro da Europa, apresentado em 1 de março, a Comissão publica um documento de reflexão sobre o controlo da globalização.
 
Com base numa análise objetiva das vantagens e desvantagens da globalização, o documento publicado hoje visa lançar um debate sobre o modo como a UE e os Estados-Membros poderão influenciar a globalização de forma a antecipar o futuro e melhorar a vida dos europeus.
 
O documento de reflexão faz uma análise aberta das consequências da globalização para a UE. E há um facto indesmentível: a UE beneficiou muito com a globalização, mas também passou a debater-se com um grande número de desafios. Um pouco por todo o mundo, a globalização ajudou centenas de milhões de pessoas a sair da pobreza, permitindo aos países mais pobres recuperar o seu atraso. Na UE, o comércio global impulsionou o crescimento económico: por cada mil milhões de euros de novas exportações foram criados 14 000 postos de trabalho. Por outro lado, as importações a preços mais baixos beneficiam, nomeadamente, as famílias mais pobres. Mas estes benefícios não são automáticos nem estão repartidos de forma equitativa por todos os cidadãos. A Europa é igualmente prejudicada pelo facto de outros países não disporem das mesmas normas em domínios como o emprego, o ambiente ou a segurança, significando que as empresas europeias não têm capacidade suficiente para concorrer com os preços das suas homólogas estrangeiras. Tal está a conduzir ao encerramento de fábricas, perdas de postos de trabalho, diminuição dos salários e agravamento das condições de trabalho.
 
Os factos apresentados no documento de reflexão mostram claramente que a globalização pode ser benéfica se for devidamente mantida sob controlo. A UE deve garantir uma repartição mais equitativa dos benefícios da globalização, colaborando estreitamente com os Estados-Membros e as regiões, bem como com os parceiros internacionais e outras partes interessadas. Devemos aproveitar esta oportunidade para influenciar a globalização de acordo com os nossos valores e interesses.
 

Celebração do Dia da Europa no Alentejo Central e Litoral

 
O Dia da Europa, 9 de maio, assinala a Declaração de Robert Schuman em que partilhou a sua visão para uma Europa unida em 1957: "A paz mundial não poderá ser salvaguardada sem esforços criativos que estejam à altura dos perigos que a ameaçam (…) "A Europa não se fará de uma só vez, nem de acordo com um plano único. Far-se-á através de realizações concretas que criarão, antes de mais, uma solidariedade de facto". 
Para celebrar este dia, o Centro Europe Direct Alentejo Central e Litoral foi até à escola Básica e Secundária Mora, realizar uma sessão sobre a União Europeia junto dos alunos do 7º, 8º, 9º e 10º ano. Além desta sessão foi ainda hasteada a bandeira da união europeia, enquanto se cantava o hino da Alegria.
Mais tarde, estivemos na escola São João de Deus, em Montemor-o-Novo, onde se realizou um Peddy Paper junto de um grupo de cerca de 80 alunos, onde testaram os seus conhecimentos sobre a União Europeia e ficaram a saber várias curiosidades.
No Alentejo Litoral, o CIED realizou ainda outra sessão, na escola básica nº3 em Vila Nova de Santo André, com os alunos do 3º e 4º ano. 
O CIED foi bastante bem recebido por parte de todas as escolas, as quais felicita pelo trabalho no que diz respeito ao ensino sobre temas europeus, e com as quais espera vir a trabalhar mais vezes.
 
 

Mais de 1 300 estudantes de mestrado vão beneficiar de bolsas de estudo Erasmus Mundus em 2017

 
1 345 estudantes de todo o mundo receberam recentemente a boa notícia de que lhes foi concedida uma bolsa de estudo financiada pela UE para iniciar um Mestrado Conjunto Erasmus Mundus no próximo outono.
 
Estas bolsas de estudo cobrirão todos os custos dos seus programas de estudos que lhes permitirão frequentar duas ou mais instituições de ensino superior em busca de um mestrado conjunto ou duplo. A maior parte dos programas tem a duração de dois anos.
 
Os 100 programas de Mestrado Conjunto Erasmus Mundus que oferecem bolsas de estudo da UE em 2017 abrangem uma vasta gama de temas: da astrofísica e nanotecnologia à cartografia e ética desportiva. As bolsas deste ano foram atribuídas a estudantes de seis continentes, sendo os cinco principais países de origem o Brasil (79), a Índia (63), o Irão (59), Bangladesh (58) e o México (49).
 
Pelo menos 75 % das bolsas são destinadas a estudantes dos países parceiros, sendo atribuídas bolsas de estudos adicionais a certas regiões do mundo onde o ensino superior constitui um domínio prioritário para a cooperação da UE. 25 % das bolsas restantes destinam-se aos estudantes da UE e de outros países participantes no programa.
Os estudantes recentemente agora selecionados terão também a possibilidade de integrar a Associação de Estudantes e Antigo Alunos do Erasmus Mundus e beneficiar dos seus serviços, nomeadamente da criação de uma rede de estudantes antes, durante e após os seus estudos.
 
Cada programa de mestrado prevê ainda que, através de financiamentos da UE, sejam convidados académicos para contribuir para o programa através do ensino ou da investigação.
 

Ligue-se a nós

 Facebook

 Twitter

 Youtube

 

Financiado por

 
 
 
 
 

Contactos

ADRAL
Rua Intermédia do PITE, 

Lt 4 e 6 7005-513 Évora
Tel (+351) 266 769 159
E-mail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.